"Hopes and Dreams"

10,59 €

Descrição

Cristóvam - Natural como as Montanhas, Profundo como o Mar

Cristóvam é um cantautor da ilha Terceira, Açores, e “Hopes and Dreams” o seu álbum de estreia. Apesar da idade jovem do artista, o LP é uma peça musical sólida, com letras escritas pela vida e uma voz áspera, que constrói uma paisagem musical sobre esperança, sonhos e as crescentes dores da vida.

Nascido entre o azul profundo do Oceano Atlântico e o luxurioso verde das ilhas dos Açores, Cristóvam é, antes de mais , o filho de dois sonhadores que sempre o ensinaram a acreditar em si e a perseguir os seus sonhos musicais.

Crescendo numa ilha pequena, algures entre a Europa e a América, Cristóvam perdia-se a contemplar o horizonte do mar, considerando que o mar que o rodeava era também um obstáculo a ultrapassar, para que a sua música o pudesse verdadeiramente ser.

Hopes and Dreams é o resultado da viagem de Cristóvam para ultrapassar o mar, provando ser muito mais do que um cantautor da ilha, a sua música emanando da ilha para o mundo, ecoando e conectando não um, mas muitos de nós, ouvintes.

Hopes and Dreams

Enquanto que a guitarra acústica ressoa juventude e intimidade, a sua voz áspera transmite experiência e sabedoria. Os instrumentos completam a paisagem sonora com tons modernos e contemporâneos, mas se despirmos a música ao seu essencial — guitarra e voz — “the song”, em última instância, “remains the same”.

Há uma honestidade crua nas suas letras viscerais sobre assuntos mundanos que de alguma forma transcende a experiência particular de um indivíduo, transformando as músicas em vozes colectivas e experiências para muitos. Das dores do crescimento ao conforto da amizade, ou à saudade do futuro, a música de Cristóvam constrói-se nas incertezas do dia-a-dia, transformando-se em hinos para convicções quotidianas.

Tal como muitos dos seus ídolos, as músicas de Cristóvam são dolorosamente sinceras, e ele não as consegue compôr de outra forma. A sua música carrega não só as urgências da juventude como também as amarguras de uma velhice que fisicamente ainda está para acontecer. Para o bem e para o mal, ele é aquilo a que soa: natural como as montanhas, profundo como o mar.

Hopes and Dreams foi gravado nos estúdios Namouche, Portugal, misturado por Pedro “Villas” Silva e masterizado por Carlos Juvandes. Foram lançados três singles no decurso da sua produção: “Walk in the Rain”, “Red Lights” (c. Mariana Domingues) e o single de apresentação do álbum: “Faith and Wine”.

O single “Walk in the Rain” (2016) aparece no filme A Canção de Lisboa (2016), um remake do famoso filme homónimo, a preto e branco, de 1933 com Vasco Santana. O realizador do remake, Pedro Varela, ouviu a música pela primeira vez quando visitou os estúdios onde Cristóvam estava a gravar Hopes and Dreams, e imediatamente pediu para que fizesse parte da banda sonora do filme.

A música foi também nomeada para os International Portuguese Music Awards (IPMA) de 2017 na categoria de Pop Performance do ano.

“Red Lights” (2017) conta com a participação de Mariana Domingues (finalista e top 2 dos Ídolos 2012) e foi escrita quando Cristóvam visitou Amsterdam pela primeira vez. Apesar de poder ser interpretada como tendo algo que ver com uma cidade com um distrito Red Light, a verdade é que palavras como “Oh my dear / Have no fear / I’m here for the good times / Here for the bad times / Here for all that’s wrong and all that’s right / We echo through the night / Between these red lights” podiam facilmente ter sido escritas em Lisboa, ou em Tóquio, se quisermos.

“Faith and Wine” (2018) é o single oficial de “Hopes and Dreams” e é uma música maravilhosa para introduzir a sonoridade de Cristóvam a novos ouvintes. O vídeo oficial da música é uma animação de vídeo feita por Jake McBride, um realizador inglês responsável pelo estúdio Animind e que trabalhou em diversos filmes, incluindo como membro do Departamento de Arte do filme Transformers: The Last Knight.

Uma canção optimista, com uma batida animada, que fala também de amor, compromisso, as certezas da vida e de “dosearmos as nossas esperanças com fé e vinho” para conseguirmos viver. O vídeo é uma bonita animação, que acompanha as palavras do poema, às vezes, complementando significados.

(Flávio Flores) Cristóvam nasceu a 16 de Dezembro de 1988, na cidade de Angra do Heroísmo, ilha Terceira, num ambiente familiar muito propício à música. O seu avô foi um dos fundadores do Rádio Club de Angra (a primeira estação de rádio da cidade), e o seu pai tinha sempre música a tocar na aparelhagem da sala lá de casa.

Quando Cristóvam tinha 11 anos de idade, aprendeu tocar violão e começou a compôr as suas próprias canções. Mais tarde comprou um pequeno piano e um interface barato para as suas primeiras gravações. Uma vez que não conhecia outros músicos, acabou por aprender a tocar um pouco de cada um dos intrumentos que queria inserir nas suas músicas, para poder gravá-los.

Alguns anos e muitas gravações mais tarde, com 20 anos, Flávio começou a trabalhar nas suas primeiras músicas de estúdio. Para conseguir fazer isso, juntou-se a três músicos locais, com quem viria a formar Flávio Cristóvam & The Jamandizen Band: João Mendes (bateria), Raul Cardoso (guitarra baixo) e Timothy Lima (guitarra).

Os Jamandizen Band & October Flight

No verão de 2009, a banda ganhou o primeiro lugar no Concurso Angra Rock, ganhando a primeira parte do espectáculo da artista nacional Susana Félix, nas Sanjoaninas desse ano.

A banda foi também premiada pelo Concurso Europeu MySpace/Vodafone “Ones to Watch”, tendo a sua música sido altamente promovida nas plataformas musicais do MySpace e da Vodafone.

Em 2010, Flávio Cristóvam & The Jamandizen Band ganhou o concurso LABJOVEM — Jovens Artistas dos Açores, na categoria de Música, e Flávio Cristóvam recebeu o prémio LAB REVELAÇÃO para artistas até 20 anos de idade. A banda acabou por actuar em Boston e nas ilhas de São Miguel, Faial e Terceira, como parte da Mostra LABJOVEM.

Nessa altura, a música “Against the Wind” alcançou um dos top 10 lugares do UK Songwriting Contest — um prémio com mais de 5.600 concorrentes e um total de 16.000 songs a concurso.

Posteriormente, a banda alterou o nome para October Flight, em 2012, quando o álbum de estreia “The Closing Doors” foi finalmente lançado. A composição da banda também sofreu algumas alterações, com João Ornelas substituindo Raul Cardoso na guitarra baixo, e a introdução de André Gomes para os teclados.

Produzido por Rui David (o homem por detrás do som de artistas como Hands on Approach, Mazgani or Darko), “The Closing Doors” teve uma boa aceitação junto do público, com o lançamento de dois singles com airplay consistente: “Make you Mine” e “Start Again”, este último com a voz da famosa cantautora inglesa, Elkie Brooks, muitas vezes referida como a “Rainha Britânica dos Blues”.

A banda October Flight promoveu o “The Closing Doors” num vasto conjunto de actuações no continente português, sendo que por volta de 2016 decidiram fazer um hiato na banda, permitindo assim espaço para Cristóvam trabalhar na sua carreira a solo.